18 maio 2007

A minha cidade em 2007



Fernando Mariano e Vicente Martinez de mãos dadas na Baixa do Porto. Viram-se rostos para trás. Olhares, risinhos. Dir-se-ia que o casal representa uma comédia. Um trolha interrompe o seu labor, um trintão tropeça, um cinquentão protesta. Numa loja, um funcionário afoga o riso com as mãos. Noutra, uma funcionária transborda espanto ("Saíram daqui e deram um beijo!") e outra sossega-a ("Não tem mal"). Lá fora, um idoso alerta a mulher ("Gays!"). Num café, um empregado faz sinal aos colegas. Até a cozinheira e o gerente vêm espreitar. Todos olham. Todos riem. O casal sai e a caixa desfaz-se: "De mão dada e tudo! Os filhos da p...". Fernando e Vicente avançam para o Mercado do Bolhão. "Ainda falam que os nossos filhos andam com uma e com outra, mais vale gostar de mulheres", advoga uma vendedora. "Coitadinhos", suspira outra. "Ordinários", ouve-se mais à frente. "Infelizmente, é para o que estica." Olhares, risos. Rua acima, rua abaixo. Junto ao Instituto Abel Salazar, uma estudante goza: "Acho que vou vomitar". Frente ao Hospital de Santo António, uma mulher chama o marido: "Nando! Olha ali para o teu lado esquerdo!". O Porto homofóbico apanhado, ao acaso, na rua, pelos Panteras Rosa...

1 bitaite(s):

Aequillibrium disse...

Pois eu quando os vejo, assim, pela rua, acho keridus...

Enviar um comentário