26 novembro 2006

Mário Cesariny (1923-2006)

"sou um homem
um poeta
uma máquina de passar vidro colorido
um copo uma pedra
uma pedra configurada
um avião que sobe levando-te nos seus braços
que atravessam agora o último glaciar da terra"
Poeta e pintor, foi o principal impulsionador do movimento surrealista em Portugal. Homossexual assumido, enfrentou a ditadura e foi perseguido pela judiciária. A sua vida, que girou em torno dos ideais surrealistas de Amor, Liberdade e Poesia, chegou hoje ao fim. Em homenagem, o semanário Sol republica a sua última entrevista. Uma leitura obrigatória.

0 bitaite(s):

Enviar um comentário