16 junho 2005

Rec it



O moço e eu resolvemos há cerca de três meses investir num gravador de DVD com disco duro. Como sou picuinhas andei a ver dezenas de modelos diferentes, a ler tudo o que eram críticas na net e a pedir conselhos em fóruns da especialidade. Por fim lá nos decidimos por um modelo da Panasonic que apresentava um conjunto de funções básicas e avançadas muito equilibradas.

O próximo passo foi a compra. Os preços nas lojas portuguesas é proibitivo e por isso andei a investigar lojas online de confiança até que a nossa escolha recaiu sobre a redcoon, uma loja sediada em Barcelona que tem sido muito utilizada por portugueses. E a diferença de preços é notável. Pelo nosso gravador pagamos cerca de 200 euros menos do que pagariamos numa loja no Porto.

Após recebermos o gravador passamos o mês seguinte a tirar-lhe as medidas. Sinceramente o manual não era dos mais fáceis de se perceber. Em vez de contextualizar as instruções dentro das tarefas mais comuns, simplesmente listava as funções passo-a-passo. Mas com o tempo lá nos fomos habituando. E sinceramente agora não conseguimos passar sem ele. É uma diferença de 180º dos gravadores de VHS.

Por um lado permite-nos programar a gravação semanal sem termos de nos preocupar de pôr cassetes ou andar a stressar se ainda há espaço suficiente para gravar (no modo de imagem que definimos o disco duro dá mais de 100 horas de gravação).
Depois, todos os programas que realmente nos interessam podem ser automaticamente copiados para DVD, depois de editados no disco duro para retirar anúncios e outros elementos supérfulos. E é possível ainda criar um menu com os vários programas ao estilo dos DVDs comerciais.
Também o facto de podermos começar a ver um programa mesmo que ele ainda esteja a ser gravado permite-nos uma flexibilidade muito maior em relação às nossas "sessões" de tv.
Em relação aos horários incertos da televisão generalista a possibilidade de podermos gravar durante horas seguidas elimina quase por completo as surpresas de termos o programa cortado a meio - ou mesmo não existir. Um desses exemplos é a série Causa Justa que dá de madrugada na TVI, sempre a hora incerta. O gravador está programado entre a uma e meia e as seis e meia (!) da manhã o que permite apanhar a série à hora arbitraria a que costuma dar. E por vezes de seguida dá um episódio de Will & Grace como bónus.
Finalmente o suporte para cartões de máquinas fotográficas permite, além de ver as fotos na tv sem andar a meter e tirar cabos, passar as imagens para DVD sem ter que utilizar o computador.

No geral esta foi uma das melhores compras que fizemos nos últimos tempos. O moço e eu entramos na era da gravação digital e daqui não queremos sair.

0 bitaite(s):

Enviar um comentário